Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Uma pausa no tempo

por llia, em 13.11.12

Como tenho demonstrado nos meus últimos desabafos, não ando muito empolgada com o blog. Acho que chegou a hora de dar um ponto final a uma frase que já vai longa demais. A mensagem fica, mas termina. Porque nem sempre acaba-se em grande e no alto, ou no fundo do mar. Acaba-se como a minha imagem, como eu.

 Desvendei um pouco a máscara, o resto não saberão.

Até logo? Talvez. Noutro sítio, noutra hora.

 

Llia Lopes. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Para os meus queridos seguidores:

por llia, em 21.10.12
Porque é sobre um fundo claro que vou escrevendo as minhas pequenas mensagens; vou juntando-as e depois há uma porta que se abre, que escolhe quem entra e quem fica à porta. Uma coisa que me apercebi quando estava a arrumar o meu quarto, é que está-se sempre a apagar e/ou a deitar coisas fora, que significaram tanto outrora para nós. Incrível como não me apercebi do passar dos minutos do caminho entre a adoração para o desleixamento. Isto acontece só com objectos materiais ou pode acontecer também com pessoas? É, se calhar sim. O vento levou toda a gente, menos a mim; sinto que estou parada há tempo demais na passadeira, indecisa entre as ruas confusas, sob os olhares atentos e provocadores. Como a minha avó costuma dizer: ”vais ficar para a semente”, é espero que as pessoas que passaram por esta porta se lembrem de mim, com um sorriso feliz, como a rapariga de olhos verdes sorridentes.

Os dias passaram, e chegou a hora de pegar nos farrapos e voar para casa. A mala cheia de lembranças e de sorrisos.  

É esta a minha despedida, a porta apartir de agora fecha-se. Agora decido quem vê as minhas asneiras e desabafos.

 

Nock nock.  

 

-Mon amour?

-Oui?

-Privé.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

"Sem pedir autorização por escrito"

por llia, em 20.10.12

"Não falei contigo
Com medo que os montes e vales que me achas
Caíssem a teus pés...
Acredito e entendo
Que a estabilidade lógica
De quem não quer explodir
Faça bem ao escudo que és...

Saudade é o ar
Que vou sugando e aceitando
Como fruto de Verão
Nos jardins do teu beijo...
Mas sinto que sabes que sentes também
Que num dia maior serás trapézio sem rede
A pairar sobre o mundo
Em tudo o que vejo...

É que hoje acordei e lembrei-me
Que sou mago feiticeiro
Que a minha bola de cristal é folha de papel
Nela te pinto nua, nua
Numa chama minha e tua.

Desconfio que ainda não reparaste
Que o teu destino foi inventado
Por gira-discos estragados
Aos quais te vais moldando...
E todo o teu planeamento estratégico
De sincronização do coração
São leis como paredes e tectos
Cujos vidros vais pisando...

Anseio o dia em que acordares
Por cima de todos os teus números
Raízes quadradas de somas subtraídas
Sempre com a mesma solução...
Podias deixar de fazer da vida
Um ciclo vicioso
Harmonioso ao teu gesto mimado
E à palma da tua mão...

É que hoje acordei e lembrei-me
Que sou mago feiticeiro
Que a minha bola de cristal é folha de papel
Nela te pinto nua, nua
Numa chama minha e tua.
Numa chama minha e tua.

Desculpa se te fiz fogo e noite
Sem pedir autorização por escrito
Ao sindicato dos deuses...
Mas não fui eu que te escolhi.
Desculpa se te usei
Como refúgio dos meus sentidos
Pedaço de silêncios perdidos
Que voltei a encontrar em ti...

É que hoje acordei e lembrei-me
Que sou mago feiticeiro...

...nela te pinto nua, nua
Numa chama minha e tua.
Numa chama minha e tua.

Ainda magoas alguém
O tiro passou-me ao lado
Ainda magoas alguém...
Se não te deste a ninguém
Magoaste alguém
A mim... passou-me ao lado.
A mim... passou-me ao lado."  

Autoria e outros dados (tags, etc)

por llia, em 16.10.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

this is awesome

por llia, em 14.10.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

na segunda parte

por llia, em 28.09.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

150-200

por llia, em 27.09.12

                 A linguagem é como o nosso cartão de visita. Tudo aquilo que dizemos provoca uma reacção; a leitura é um utensílio que nos ajuda a melhorar a nosso pessoa, a nossa maneira de ver, estar e ser.

                Uma pessoa não pode estar em todo o lado, pois não? Então, as pessoas lêem para puderem estar em todos os cantinhos do planeta, claro isto uma maneira de dizer, para puderem encontrar palavras amigas, que nem sempre a pessoa do lado sabe dizê-las. E uma outra necessidade, para saberem que não são as únicas a sentirem-se alegres, nostálgicas, aborrecidas com a sua vida, tristes, cansadas,… Isto claro, por mais que eu escreva haverá sempre outras razões, uma infinidade.

                As palavras quando bem ditas são poderosíssimas; uma pessoa para se fazer ouvir precisa de saber explicar-se. Porque a solução de muitos problemas está na comunicação.

                Acho que este texto, é uma boa demonstração do uso das palavras, afinal as pessoas falam muito. 

 

(feito na aula de Português) 

Autoria e outros dados (tags, etc)